spot_img

Atraso de R$ 4 milhões? “Duro na Queda” deixa Itabira e volta para o Sul de Minas levando funcionários e maquinários, diz fonte

Informantes ligados ao Notícias Uai deram conta de que a empresa do ramo asfáltico, que veio do sul de Minas para recapar avenidas em Itabira, voltou para a região de origem.

Segundo fontes, o comboio com os equipamentos saiu da cidade de Itabira e Bela Vista de Minas com destino à cidade de Pouso Alegre, sul de Minas.

- Publicidade -

Nossa reportagem esteve no alojamento da empresa, que fica na região central do munícipio, e observamos os funcionários colocando os pertences dentro de caminhões e um micro-ônibus da empresa.

Segundo relatos de fontes, a prefeitura de Itabira está em atraso com um repasse de R$4 milhões de reais com a empresa desde o mês de julho, o que tornou inviável manter a equipe e maquinários na cidade.

A “Duro na Queda” foi contratada através de uma adesão de ata no valor de 19 milhões de reais para recapar várias ruas em Itabira.

Desde as 5 horas da manhã, a reportagem ficou na porta do alojamento e acompanhou as movimentações. Às 7 horas, o portão se abriu por completo e vários funcionários entraram no ônibus com malas e até mesmo cestas básicas e outros pertences.

O ônibus seguiu primeiro para o bairro Novo Amazonas, onde deixou dois motoristas que levaram os caminhões que estavam prestando serviços de recapeamento em algumas ruas daquele bairro. Em seguida, o ônibus seguiu para o bairro Fênix, em frente ao batalhão da polícia militar, e mais um motorista desembarcou e embarcou em um caminhão, conduzindo-o para o comboio dos demais.

Seguimos pela rodovia em direção ao trevo de Itabira e deparamos com o ônibus da empresa “Duro na Queda” com defeito, o que o obrigou a parar. Cerca de duas horas depois, por volta das 09:15, chegaram os mecânicos da empresa em outro veículo e socorreram os funcionários, que seguiram viagem para a cidade de Pouso Alegre, no sul de Minas.

Segundo informações, a prefeitura de Itabira assinou o contrato com eles no valor de R$19.192.109,65, no dia 28/02/2023. O contrato é válido até 28/02/2024.

Mas o que pode ter motivado a remoção da empresa de volta para o sul de Minas são os repasses em atraso. Segundo um funcionário da secretaria de obras, que preferiu não se identificar, um repasse foi feito no valor de R$825.809,84 em 01/06/2023, outros nos dias 26 e 30 do mês 06, somando pouco mais de R$6 milhões. No mês de julho, também foi feito apenas um repasse no valor de R$2.710.460,27, e em setembro a prefeitura de Itabira passou apenas o valor de R$2.718.936,08, totalizando R$9.562.229,15. Ainda restam R$9.629.880,50 para alcançar o valor total do contrato.

A empresa deixou vários equipamentos espalhados por ruas da cidade, que precisariam de um caminhão-prancha para serem levados para o Sul de Minas, e ainda mantém o alojamento na região central do munícipio.

Algumas ruas do bairro Novo Amazonas ainda estão inacabadas com o recapeamento.

O Notícias Uai entrou em contato com a Prefeitura de Itabira. Apesar de ter sido registrado pelo nosso repórter e de haver vários relatos, o Executivo Municipal disse que “a informação não procede” e que “não houve qualquer paralisação das atividades da Duro na Queda motivada por falta de pagamento”. “A empresa, inclusive, está realizando atividades no bairro Pedreira e na semana que vem já tem serviço programado no bairro Novo Amazonas”, afirmou a assessoria de imprensa da Prefeitura.

Com a empresa Duro na Queda, não conseguimos contato. Deixamos aqui o espaço, caso a empresa queira se manifestar: noticiasuai@gmail.com .

spot_img
** Os comentários de internautas em publicações das redes sociais do Notícias Uai não representam, necessariamente, a opinião deste portal e são de inteira responsabilidade do autor.

Ação não permitida.