Editorial – Falta de água, transporte público, crise na saúde e construção do presídio: os problemas que o Governo Marco Antônio não consegue resolver

A cidade de Itabira enfrenta sérios problemas. Diante disso, é notória a persistente inabilidade do governo municipal em solucionar questões cruciais que impactam diretamente a vida dos cidadãos. Quatro áreas fundamentais — transporte público, abastecimento de água, saúde pública e a problemática construção do presídio — permanecem como testemunhas da falta de soluções eficazes do governo do prefeito Marco Antônio Lage.

Na área de entretenimento, contudo, o governo não peca: desde que iniciou seu governo, Marco Antônio tem investido em eventos de todo o tipo. Shows de artistas com cachês milionários, estruturas gigantescas e muitos holofotes. Mas, não é disso que os itabiranos estão sofrendo.

A escassez de água é uma chaga persistente que o governo parece incapaz de sanar. Em uma região onde a gestão hídrica deveria ser tratada com a máxima prioridade, as interrupções frequentes no abastecimento demonstram uma falta de planejamento e investimento em infraestrutura. Quando a água chega, ela tem aspecto de barro.

A população sofre as consequências, enfrentando cortes e restrições que prejudicam não apenas os lares, mas também a atividade econômica local. Não tem como os comerciantes deixarem as portas abertas se falta água.

Moradores dos Bairros Eldorado, Santo Antônio, Jardim das Oliveiras e Bela Vista, relatam que já se aproximam dos 14 dias sem uma gota de água na torneira.

Os telefones do site Notícias Uai tocam o dia todo, todos os dias, com itabiranos pedindo socorro, pois, não sabem mais a quem recorrer. A população está com sede!

A contaminação da água de 60% da população itabirana ocorrida na semana passada com algo aparentando ser óleo diesel, não necessita maiores comentários: a falta de água supera.

Já o transporte público, vital para a mobilidade urbana, também continua a ser uma fonte de descontentamento para os habitantes de Itabira. O prefeito Marco Antônio Lage enfeitou a frota de ônibus e disse que agora a comunidade estaria bem, com ônibus novos e organização no transporte. Contudo, não é o que relata quem diariamente necessita de ônibus. A falta de investimentos verdadeiros e a ausência de medidas eficazes resultam em um serviço precário, afetando a rotina da população. A prometida melhoria nesse setor parece distante da realidade do itabirano.

O problema da construção do presídio é mais um capítulo na narrativa de ineficácia do Governo Marco: ainda não houve uma solução efetiva para os desafios associados à construção e operação do presídio, deixando a cidade em um estado de incerteza e preocupação quanto aos impactos futuros dessa questão não resolvida. Especialistas, inclusive policiais civis, já disseram que a ausência de um presídio na cidade impacta diretamente na segurança pública.

A saúde pública está um caos! Populares relatam falta de médicos nos PSF’s, falta de remédios na farmácia municipal e o caótico atendimento no pronto socorro. Mesmo nesta situação, os vereadores da base governista derrubaram a emenda à Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2024 que destinaria R$ 1 milhão para a saúde pública de Itabira.

Enquanto os problemas persistentes clamam por atenção e soluções, observamos uma paradoxal preferência do prefeito Marco Antônio por festas e eventos. A população questiona a priorização dessas celebrações em detrimento das questões cruciais que afetam diretamente suas vidas.

É imperativo que o governo de Itabira reavalie suas prioridades, adote abordagens mais eficazes e, acima de tudo, preste contas à comunidade que o elegeu.

A transparência na gestão pública é essencial, assim como a participação ativa dos cidadãos na busca por soluções efetivas. A cidade merece uma administração capaz de transformar as promessas de campanha em realizações tangíveis que melhorem a qualidade de vida e promovam o bem-estar de todos os seus habitantes.

** Os comentários de internautas em publicações das redes sociais do Notícias Uai não representam, necessariamente, a opinião deste portal e são de inteira responsabilidade do autor.