Polícia Civil prende casal por maus-tratos a animais em Itabira

Durante um cumprimento de mandado de busca e apreensão em um inquérito que investigação de crimes de estelionato, a Polícia Civil se deparou com 12 cães da raça pitbull aparentemente abandonados.

“Verificou-se que os cinco cães adultos e os sete filhotes foram abandoados no imóvel, que se encontrava desocupado e repleto de lixo. Os cães se encontravam confinados em meio a fezes e sem acesso à água ou alimento”, disse a Delegacia Regional de Itabira em nota.

Segundo informações, a falta de alimento e água ao animais ficou ainda mais evidente quando os policiais ofereceram os insumos ao animais, que correram ansiosamente para se alimentar.

“Todos os aspectos que se evidenciaram no local demonstraram que os investigados, de fato, abandonaram o imóvel em razão da existência de débitos locatícios não quitados e mantiveram os animais no local, o que motivou a precariedade das condições ambientais já citadas”, afirmou a PCMG.

No local existia ainda um aquário contendo cinco peixes de médio porte, três da raça Oscar e dois da raça Tucunaré.

Os animais foram avaliados no local por uma médica veterinária do Serviço Municipal de Proteção aos Animais e encontram-se sob os cuidados temporários de uma Organização Não Governamental (ONG).

Além das buscas no imóvel onde os animais foram resgatados, os policiais civis cumpriram outro mandado de busca e apreensão em residência ligada a um familiar do investigado, na qual ele foi encontrado. Foram apreendidos um computador, um notebook, dois celulares, uma pasta com documentos diversos, um caderno contendo anotações de contabilidade dos negócios dos investigados e uma motocicleta.

Já a mulher foi surpreendida, na tarde do mesmo dia da ação policial, quando tentava acessar o primeiro imóvel para retirar os animais. Ambos tiveram suas prisões em flagrante ratificadas pelo crime de maus-tratos a animais e foram encaminhados ao sistema prisional.

Estelionato

As investigações sobre o crime de estelionato, iniciadas em novembro de 2023, prosseguem com a análise do material apreendido. Conforme relatos das vítimas, os investigados se apresentavam como investidores do mercado de valores e ofereciam serviços de intermediação de investimentos, com promessa de lucros atrativos, captando recursos financeiros das vítimas, que não recebiam o capital aplicado de volta.

** Os comentários de internautas em publicações das redes sociais do Notícias Uai não representam, necessariamente, a opinião deste portal e são de inteira responsabilidade do autor.